HOME CLUBES PRINCIPAL COPAS MUNDO DO FUTEBOL FUTEBOL FEMININO MERCADO DA BOLA CULTURAL CONTATO

 

 

 

SERIE A

SUDESTE

NORDESTE

SUL

CENTRO-OESTE

NORTE

Sofrimento, vitória e esperança: Sport bate Botafogo

Card image

Créditos: (Foto: Vítor Silva / Botafogo)

Pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Sport visitou o Botafogo no Engenhão em duelo encarado como mais uma final de Copa do Mundo, como diz o técnico Jair Ventura. Apesar da fraca atuação e da pressão sofrida no segundo tempo, os leoninos venceram por 1×0 e encerram mais uma rodada fora do Z4. Com a vitória, os recifenses rebaixam os alvinegros matematicamente e quebram três tabus: de nunca ter vencido no Engenhão, de 27 anos sem ganhar o confronto no Rio de Janeiro e de 10 jogos sem bater os botafoguenses.

Nos minutos iniciais, a sensação era de que apenas os donos da casa estavam em campo. Com muito mais posse de bola e objetividade, o Botafogo levou perigo no chute a queima roupa de Matheus Nascimento, defendido por Luan Polli aos 4 minutos, e na finalização rasteira para fora de Cesinha aos 11.

A primeira chegada do Sport aconteceu aos 16, quando Dalberto girou, chutou, a bola desviou e perdeu força, mas assustou por causa do escorregão do goleiro Diego Loureiro. Aos 19 foi a vez de Marcão tentar de primeira, mas houve um desvio na mão do meio-campista Romildo antes da defesa de Diego Loureiro. Com auxílio do VAR, o árbitro marcou o pênalti e Maidana, com frieza e precisão, converteu a cobrança no ângulo direito.

Já mais ligado no jogo e em vantagem no placar, o Leão demonstrava mais tranquilidade e firmeza na marcação, sem levar outros grandes sustos na etapa inicial, mas pouco inspirado com a bola no pé. A próxima boa tentativa surgiu após uma cobrança de escanteio aos 35, quando a bola atravessou a área e Ewerthon buscou o gol em finalização de primeira, mandando para fora.

O segundo tempo começou parecido com o primeiro: apenas os cariocas jogavam. Precisando correr atrás do prejuízo, já que caia matematicamente com a derrota, o Alvinegro buscava se impor com intensidade e assustou já aos 4 minutos, quando Romildo recebeu cruzamento com liberdade, mas bateu por cima. Aos 8, em escanteio cobrado na primeira trave, a bola foi desviada e Dalberto salvou o Rubro-negro de levar o empate. Aos 14 a tentativa foi de fora da área, com Matheus Nascimento arriscando de primeira e exigindo grande defesa de Luan Polli.

Os pernambucanos pareciam ter abdicado de jogar e apenas se defendiam, enquanto os mandantes tinham liberdade para trocar passes e se aproximar da área. Nesse ritmo, José Welison teve espaço para ameaçar em chutes de longe aos 21 e aos 25, que passaram perto da meta. Caio Alexandre protagonizou o terceiro arremate de fora da área em pouco tempo aos 29, mas Polli defendeu com tranquilidade. Ainda no mesmo minuto, Rafael Navarro bateu cruzado com muito perigo.

Só aos 36 o Sport teve seu primeiro bom momento na etapa final. Sander cobrou escanteio na cabeça de Dalberto, que parou na boa defesa de Diego Loureiro. A pressão era do Botafogo, que não conseguia ser efetivo e com o desgaste, diminuiu as chegadas mais perigosas, não tendo forças para buscar o empate. A equipe de Jair Ventura chega agora aos 38 pontos, dois a mais que o primeiro time do Z4, e fecha a rodada no 14º lugar.

Ver mais

Sobre o autor

Ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Siga nossas redes sociais

© 2020 Atras do Gol é uma marca registrada da Atras do Gol Limited Liability Company.  Todos os direitos reservados. O uso deste site constitui aceitação de nossos Termos de Uso e Política de Privacidade