HOME CLUBES PRINCIPAL COPAS MUNDO DO FUTEBOL FUTEBOL FEMININO MERCADO DA BOLA CULTURAL CONTATO

 

 

 

SERIE A

SUDESTE

NORDESTE

SUL

CENTRO-OESTE

NORTE

ALAMBRADO: vale quanto pesa?

Card image

Créditos: Camisas tradicionais colaboram com o crescimento do fut7 (foto: Fabio Bião)

Até que ponto – ou a partir de que ponto – as camisas de time são importantes no fut7

Sempre falo que o fut7 cresce a cada dia e que pode crescer ainda muito mais, se gerido de forma profissional, como um evento. A forma tradicional, com federações – que poderiam facilitar na questão de lei de incentivo, conversas com os clubes -, ao menos até o momento, não trouxe os resultados – principalmente – financeiros que se espera da modalidade que é a mais praticada no país. Não vou entrar no mérito de condutas e ética. A questão, acima de tudo, é a objetividade que as empresas de eventos e entidades privadas têm para com o esporte.

2021 começa agitado, com calendário anual divulgado. Muitos são os projetos que estão se organizando e se associando a camisas tradicionais do futebol brasileiro, para fazer parte de uma elite da modalidade. Há que se ter investimento financeiro para isso? É claro que sim! Porém, só o dinheiro não vai resolver. Tão importante quanto ele, é a organização dos gestores. E isso, faz parte de um efeito dominó, que é, justamente, saber quando, onde, contra quem, em qual competição vai jogar. Só assim se pode ter boas equipes, bons elencos e, consequentemente, a entrega de um bom produto.

Para quem não conhece a fundo a modalidade, explico: uma camisa como a do Vasco, por exemplo, é associada a um projeto de fut7. Este mesmo projeto, há pouco mais de um ano, esteve associado à camisa do America. Até aí, tudo bem. Não vejo o menor problema nisso! É do jogo, é do esporte e faz parte do crescimento. Porém, no meu entendimento, há que se valorizar, também, os nomes dos projetos que sustentam as equipes. Isso é relativamente comum no futsal e no vôlei. Quantas não são as equipes de vôlei que têm nomes de empresas ou de cidades? Não sei, exatamente, o motivo disso. Pode ser por conta dos estatutos arcaicos dos clubes ou o não desejo de ter torcidas de futebol envolvidas na modalidade…

Voltando ao fut7, um exemplo disso é o Coríntios. O projeto já vestiu as camisas do America, São Cristóvão, Fluminense e Vasco. Hoje, a gestão do time entendeu que seria “Coríntios” e, hoje, é uma camisa respeitada nacionalmente. São marcas que devem ser valorizadas, reconhecidas e ter seus ídolos, seus nomes. Inclusive, este é outro ponto em que a modalidade precisa focar: nomes. Afinal, ainda que conheçamos camisas de futebol, como Santos e Flamengo, sempre que essas equipes forem lembradas, de alguma forma, serão falados “o Santos de Pelé” e “o Flamengo de Zico”.  Mas, esse é assunto pra outra ocasião.

Por enquanto, é isso. Temos calendários, times querendo jogar, pessoas querendo investir. Só falta alguém que ofereça um bom produto. Ele já existe. Agora, é fazer os ajustes finais, dar o apito inicial e esperar pra ver como o jogo acaba.  Se possível, com vitória do fut7.

NA GRADE:
– o Nova Iguaçu está na liderança da fase preliminar do Campeonato Carioca, com sete pontos, seguido por Americano, Sampaio Corrêa e Cabofriense, com quatro. Vale lembrar que somente uma equipe avança para a disputa das Taças Guanabara e Rio;
– mais três jogos acontecem na próxima quarta, dia 27: Sampaio Corrêa x Cabofriense; Friburguense x America e Nova Iguaçu x Americano.

@fabiobiao21

Ver mais

mm

Sobre o autor

Ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Siga nossas redes sociais

© 2020 Atras do Gol é uma marca registrada da Atras do Gol Limited Liability Company.  Todos os direitos reservados. O uso deste site constitui aceitação de nossos Termos de Uso e Política de Privacidade