HOME CLUBES PRINCIPAL COPAS MUNDO DO FUTEBOL FUTEBOL FEMININO MERCADO DA BOLA CULTURAL CONTATO

 

 

 

SERIE A

SUDESTE

NORDESTE

SUL

CENTRO-OESTE

NORTE

Dirigentes espanhóis são condenados por Apropriação indébita em negociação de jogadores

Card image

Créditos: Tribunal de Sevilha, imagem interna do julgamento (Foto: Raúl/sevilla.abc.es)

O ex-CEO do Real Betis, Luis Oliver, e os ex-presidentes José León e Jaime Rodríguez-Sacristán foram condenados por um tribunal de Sevilha pelas irregularidades que cometeram na gestão do clube em 2010, embora nenhum deles vá para a prisão. Os crimes de que foram acusados ​​foram encaminhados para a cobrança de comissões pelas vendas dos jogadores Sergio García e Mehmet Aurelio, Zaragoza e Besiktas, respetivamente, bem como para outras operações em que desviaram dinheiro dos cofres do clube, já em processo de falência, a empresas controladas por Luis Oliver.

Antes do julgamento, o Ministério Público e o Ministério Público exercido pela Associação Béticos por Villamarín (BXV) chegaram a um acordo para a redução das penas iniciais, baseando-se na renúncia do lesado, Real Betis, a qualquer ação penal e cível após a assinatura do acordo. em julho de 2017 com Oliver e Lopera para a venda e compra do pacote de ações majoritárias. Outras denúncias, como a já extinta plataforma Por Nuestro Betis, aderiram ao acordo anos atrás.

O Ministério Público inicialmente pediu cinco anos de prisão para Oliver e quatro para José León por crime de apropriação indébita em concurso de mídia com crime de falsificação de documentos. Além disso, pediu tanto o pagamento de uma multa de seis mil euros. No caso de Rodríguez-Sacristán, a sentença solicitada pelo promotor é de nove meses de prisão por apropriação indébita.

No entanto, o acordo de conformidade entre as partes tem conduzido a uma redução considerável das penalidades, uma vez que os atrasos indevidos e a reparação dos danos são vistos como circunstâncias atenuantes altamente qualificadas. O caso começou há uma década no tribunal de Mercedes Alaya e foi instruído como uma parte separada do caso contra Lopera.

Assim, o Tribunal, em sentença proferida ‘in voce’ e que já é definitiva, condenou Oliver e León a dez meses e 16 dias de prisão e a uma multa de 225 euros. Neste caso, a pena privativa de liberdade está suspensa pelo prazo de dois anos, com a única condição de não cometer outro delito. Por seu turno, Jaime Rodríguez-Sacristán foi condenado a uma pena de um mês e quinze dias de prisão, que é substituída por uma multa de 270 euros.

Ver mais

mm

Sobre o autor

Ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Siga nossas redes sociais

© 2020 Atras do Gol é uma marca registrada da Atras do Gol Limited Liability Company.  Todos os direitos reservados. O uso deste site constitui aceitação de nossos Termos de Uso e Política de Privacidade