HOME CLUBES PRINCIPAL COPAS MUNDO DO FUTEBOL FUTEBOL FEMININO MERCADO DA BOLA CULTURAL CONTATO

 

 

 

SERIE A

SUDESTE

NORDESTE

SUL

CENTRO-OESTE

NORTE

Após uma sequência de derrotas, Bahia conquista um ponto fora de casa.

Card image

Créditos: Rafael Machaddo/EC Bahia

Pior defesa do campeonato? Sim senhor! Assim iniciou a partida, com menos de 10 minutos o Bahia já entregava o resultado pro Atlético-Go. O que esperar então de um time que não se posta bem defensivamente? Não ataca com eficiência? Eu não sei, e o Bahia também parece não saber.

Um lance que define tão bem a temporada do Bahia foi Nino na lateral do campo caindo com as próprias pernas, sim gente, durante o campeonato até aqui o time apresentou falhas próprias, é contado nos dedos os jogos em que o time perdeu por méritos somente do adversário, em sua maioria o Bahia perdeu para o próprio Bahia. Você sabe quando um time perde pra si mesmo? É quando ele deixa de potencializar suas qualidades, e escancara os próprios defeitos, e esses defeitos vou definir com: as próprias falhas na entrega de bola para adversário, fazer faltas que culminam em gol para o adversário, deixar de aproveitar as oportunidades criadas (quem não faz? leva), enfim, cai/perde com as próprias pernas.

Tomando um gol logo no início do primeiro tempo, o Bahia tentou, mas com pouca eficiência chegar na área do dragão nos minutos finais do primeiro tempo, e o goleiro do adversário trabalhou mais do que os minutos anteriores, mas não passou daquele velho ditado “nadou, nadou e morreu na praia”. Assim o time foi para o intervalo perdendo de 1 x 0, a torcida esperava que as conversas no vestiário fossem mudar o ânimo e a vontade dos jogadores em campo, pois nem de longe parecia o time do jogo anterior contra o Grêmio.

Ledo engano, o time voltou com Rossi no lugar de Thiago, isso mesmo, aquele que sequer foi acionado no 1º tempo, foi sacado sem de fato ter tido oportunidade do time jogar com ele. Parafraseando Cascio Cardoso: “Isso não tem Dado certo”, não mesmo, Dado continua com a mesma substituição fracassada dos técnicos anteriores, e o resultado? Já sabemos! Rossi em campo e sem rendimento. Desde o jogo passado bati na tecla de que ele e Clayson (apesar de que esse não entrou no jogo hoje) não são a solução para o Bahia virar o jogo, para o time conseguir se reerguer no campeonato, no entanto eles continuam sendo vistos como o fator “surpresa” que de surpresa não tem nada. Por que o Bahia tem tanta paciência com jogadores rodados e que não estão dando certo em campo, mas não tem paciência com seus jogadores da base? O Bahia queima sua base de um jeito diferente. Está com problemas no campeonato? Chama a base que ela resolve, mas pera aí, eles tem que resolver em 45 minutos viu? Caso contrário rapidamente são colocados no banco e até rebaixados novamente.

Depois de um jejum de 18 minutos sem finalizações, Nino cruzou a bola e Gabriel Novaes cabeceou para igualar o placar. Após isso o jogo ficou um pouco mais movimentando e com ambas equipes tentando o ataque. Dado fez algumas modificações que não surtiram efeito no placar, mas o fato de não ter colocado Clayson já mostra que a torcida começa a ser escutada. Depois de uma longa sequência de derrotas, o Bahia voltou a pontuar, conquistou apenas um ponto, o jogo do Vasco vai definir se o clube ficará fora ou dentro da zona. Alô tricolores, se o Bahia não faz sua parte totalmente em campo, só nos resta secar o adversário. A partida terminou 1 x 1, com um ponto conquistado e possibilidades remotas de dormir fora da zona.

Ver mais

mm

Sobre o autor

Ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Siga nossas redes sociais

© 2020 Atras do Gol é uma marca registrada da Atras do Gol Limited Liability Company.  Todos os direitos reservados. O uso deste site constitui aceitação de nossos Termos de Uso e Política de Privacidade