HOME CLUBES PRINCIPAL COPAS MUNDO DO FUTEBOL FUTEBOL FEMININO MERCADO DA BOLA CULTURAL CONTATO

 

 

 

SERIE A

SUDESTE

NORDESTE

SUL

CENTRO-OESTE

NORTE

O ano de altos e baixos no Figueirense e um Jorginho de esperança

Card image

Créditos: Patrick Floriani/FFC

O Figueirense começou 2020 tímido. Antes mesmo do Campeonato Catarinense começar, o clube já anunciava os problemas que poderia enfrentar durante a temporada, principalmente financeiro.

Sem holofotes, grandes nomes ou investimentos, a equipe treinada por Márcio Coelho chegou as fases decisivas do estadual. Chegou a ficar algumas partidas invictadas e mostrou que poderia fazer frente aos outros grandes mesmo sem medalhões. E foi o que fez.

Não só no Catarinense, mas na Copa do Brasil também mostrou que antes da queda, lutaria. Chegou a quarta fase da Copa do Brasil, enfrentando o Fluminense. Chegou a vencer o primeiro jogo no Scarpelli por 1 a 0, mas…

Um tal vírus mudou tudo… Paralisou os campeonatos, a rotina e a vida normal na qual conheciamos. Foram meses até a pandemia dar uma “trégua” e os torneios poderem retornar. Ainda sim, com uma série de prótocolos e cuidados.

E claro, todos os times foram impactados, seja pelo tempo que ficaram parados, seja pelos atletas contaminados, seja pela ausência do torcedor… Enfim, no Figueirense não foi diferente. A equipe voltou em um ritmo muito abaixo do esperado.

O futebol que antes soava como esperança de dias melhores, ficou no passado. Primeiro a goleada de 4 a 1 para o Juventus e a eliminação do Catarinense e depois por 3 a 0 para o Fluminense, dando adeus para a Copa do Brasi.

Eliminações que custararam o cargo do técnico Gugu. Para o seu lugar, veio o aclamado Elano, ex-jogador e com grande respaldo no futebol brasileiro. Era a esperança do clube para o Campeonato Brasileiro da Série B, mas… O final você já conhece.

A Série B era o único campeonato que ainda importava ao Figueirense. Mas na prática, nem a figura do Elano contribuia para os resultados dentro de campo. Muito se pediu paciência para que o trabalho fosse desenvolvido, mas no fim das contas, a sucessão de resultados negativos, levou a demissão do treinador…

Afundado no Z-4, o rebaixamento era praticamente certo… Eis que surge a última cartada: Jorginho. Com humildade, cautela e trabalho, conseguiu dar folêgo a um time que estava fardado ao fracasso e a disputar o centenário na Série C.

Hoje, o clube está fora da zona de rebaixamento, após uma sequência de resultados positivos. O caminho ainda é árduo, mas existe esperança em dias melhores e que o objetivo final seja concluído: permanecer na Série B.

Ver mais

Sobre o autor

Ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Siga nossas redes sociais

© 2020 Atras do Gol é uma marca registrada da Atras do Gol Limited Liability Company.  Todos os direitos reservados. O uso deste site constitui aceitação de nossos Termos de Uso e Política de Privacidade