HOME CLUBES PRINCIPAL COPAS MUNDO DO FUTEBOL FUTEBOL FEMININO MERCADO DA BOLA CULTURAL CONTATO

 

 

 

SERIE A

SUDESTE

NORDESTE

SUL

CENTRO-OESTE

NORTE

Quantas histórias cabem em 2020? Retrospectiva do Tricolor Baiano

Card image

Créditos: Foto: Divulgação ECBahia

01 de Janeiro, a data mais importante do Esporte Clube Bahia, a data de fundação e quando já começamos o ano pedindo sempre a melhora do nosso clube amado. Jamais imaginaríamos que 2020 já começaria diferente. O time de transição estava a todo vapor e com as melhores e maiores expectativas de um ano promissor para a garotada. Nosso tão sonhado Centro de Treinamento finalmente foi inaugurado, precisamente dia 11. Um dia de renovação e conquistas para nosso clube e torcida, finalmente temos nosso espaço. 

Nomeado de Evaristo de Macedo, teve acesso liberado aos sócios, foi um dia de muita festa. Várias contratações foram divulgadas. A equipe feminina também começou com todo gás, depois da conquista do Baianão 2019, estavam focadas totalmente no campeonato Brasileiro A2, onde só o acesso para A1 importava.

Foto: Divulgação ECBahia

Fevereiro começou com um culto ecumênico no CT Evaristo de Macedo, com presença de vários líderes religiosos, em nome da diversidade, abrir os caminhos e abençoar o novo investimento. Muita paz, respeito e energias positivas para este ano. Também neste mês começou a disputa em uma competição internacional, onde o Bahia deu o primeiro passo lá no Paraguai.

Março já começou com um triunfo em cima dos rivais de Canabrava, com um golaço no apagar das luzes, um triunfo de virada. No dia 07, tivemos uma rodada dupla, aquele dia que todo torcedor sonhou, uma tarde toda de futebol na Fonte Nova, partidas pela Copa do Nordeste e Baiano, tivemos um triunfo e um empate, fora a festa. Jamais imaginaríamos que ali seria nosso último dia nas arquibancadas em 2020. Mas antes disso, nossas Meninas de Aço estrearam com pé direito no Brasileirão, no dia 14 vencemos o UDA-AL por 8 a 0, fora o baile. Com a torcida menor, porém presente e barulhenta para apoiá-las! Alguns dias depois, o Bahia fez um comunicado oficial suspendendo suas atividades por tempo indeterminado.

De acordo com presidente Bellintani, o avanço da covid-19 ocasionou a intervenção dos jogos em todo país, ou melhor, no mundo. E assim, começamos uma longa batalha, onde o adversário era invisível e destruía muito além das 4 linhas. O futebol parou, o mundo parou, culpa do vírus maldito.

Foto: Divulgação ECBahia

De Março a Julho, várias campanhas de prevenção foram lançadas pelo clube, como a importância do uso da máscara, uso de álcool, lavagem das mãos e o principal, distanciamento social. Todos atletas estavam treinando de suas casas, uma forma de interagir o público com seu time amado, foi transmitir as atividades através de suas redes sociais. Foi criado o Big Bróder Bahia, onde os preparadores físicos divulgavam programação de exercícios e lives de conversas. #JuntosVenceremos foi uma forma de pedir apoio a torcida para não cancelar o sócio, pois uma das maiores rendas do Clube é o capital que vem de sua massa. Outras diversas campanhas também foram criadas, como “Bahia contra a fome”, arrecadando alimentos para os mais necessitados. O Esquadrão também cedeu o antigo CT (Fazendão) para o governo utilizar como alojamento de pacientes infectados. Nesse meio termo, o Tricolor divulgou em suas redes sociais, o fim do projeto do time de transição, afim de cortar custos devido à crise instalada em vários clubes. A diretoria também comunicou o corte dos salários deles e dos jogadores em 25% afim de reduzir gastos e não precisar demitir funcionários.

Foto: Divulgação ECBahia

O Bahia sempre postou os passos dos atletas nesse período de “pausa”, inclusive em Junho todos passaram por uma testagem, os exames foram feitos por drive. Devido a este novo normal, o Bahia inovou sua rede digital, criando o Sócio Digital, para maiores informações do Clube, os torcedores se sentirem mais pertos dos jogadores já que as autoridades políticas, juntamente com a secretaria de saúde autorizaram o retorno dos treinamentos presenciais, obedecendo uma série de exigências.

Foto: Divulgação ECBahia

Depois de 1 mês de treinamento presencial, o Bahia finalmente voltou aos gramados, no dia 22 de Julho a Copa do Nordeste retornou e nossa primeira partida foi contra o Náutico, vencemos de goleada, já estávamos sonhando com a taça, mas a realidade bateu em nossa porta. No dia seguinte, foi o retorno do Baianão, jogamos contra o Atlético de Alagoinhas e perdemos. Fomos para a final do Nordeste, mas perdemos para o Ceará. A torcida foi à loucura com um mix de sentimentos tristeza com raiva, nada estava dando certo.  Péssimo futebol apresentado em campo, jogadores sem garra, time apático, sem palavras para essa fase. Como vida de torcedor do Bahia não é fácil dias depois fomos disputar a final do Baiano.

Agosto não foi o mês do desgosto. Mesmo com um futebol ridículo e quase perdemos a taça para o Atlético, mas vencemos na força do ódio e levantamos a Taça de Campeão Baiano 2020. Mesmo com tamanha revolta, foi a única ‘graça’ apresentada pelo clube, porque o resto só foi disgraça! A torcida não cansava de pedir a saída do técnico, eu gostava muito dele, mas preciso concordar que nas últimas rodadas ele estava perdido nas escalações, porém não o culpo sozinho, infelizmente ele não tinha peças qualificadas para relacionar para um jogo. Jogadores super abaixo de qualidade, não se faz milagres. Depois de muito protesto, no início de Setembro, Roger foi demitido. Dias depois, foi divulgada a contratação de Mano Menezes para o comando do Tricolor.

Uma contratação de peso na parte técnica, porem em campo, mesmas peças, então Mano precisou abusar da ousadia para armar a equipe. O trabalho foi árduo, porém não foi suficiente para tirar o Esquadrão na parte debaixo da tabela. Apesar de ganhar umas, perdia mais do que tudo. Falhas persistentes, um time fraco, sem muita ousadia e garra, eu falei várias vezes que não ia assistir, mas não consigo, segui meu estresse. Por outro lado, as garotas do time feminino só deram orgulho, a goleira Anna Beatriz e a lateral Nine foram convocadas para a seleção sub-20, nos deixando sempre orgulhosas do bom trabalho do Igor Morena. Elas também passaram a quarentena treinando em casa, supervisionadas pelos preparadores físicos e pela torcida. Voltaram aos treinos presenciais em Setembro e em seguida o Brasileirão A2 retornou.

Foto: Felipe Oliveira | ECBahia

Outubro chegou e as derrotas persistiram, time muito ruim tecnicamente, pode mudar de técnico, mas enquanto não tiver reforços o Bahia continuará na saga contra o rebaixamento, a sorte dele que tem times piores embaixo, senão já estaríamos lá na zona. Por outro lado, as Meninas voltaram a campo e venceram quase todas partidas que disputaram.

No dia 5 de novembro, nosso mascote fiel de guerra, o Jotinha, faleceu devido a complicações da Covid-19. Mais uma vez, fiquem em casa, mas se precisar sair, usem máscara e evitem aglomeração. Enquanto o masculino continuou mal, já o feminino deu um show de bola. Invictas, as Meninas de Aço conseguiram o sonhado acesso a série A1 na partida contra o Fortaleza, empataram a 1ª partida, mas venceram a segunda, com gol de Aila. Orgulho define. Só elas sabem as dificuldades na caminhada, jogaram em campos de péssima qualidade, em um horário desleal (14h, onde tem 1 sol para cada jogadora), ausência de transmissão ampliada. Os jogos foram transmitidos pelo CBFTv, de péssima qualidade e onde muitos narradores sequer sabiam nomes das atletas, total despreparo. Nossa artilheira Gadu ficou de fora das últimas partidas, depois de uma fratura da tíbia. Olha, a caminhada não foi fácil, mas elas chegaram lá. Classificadas para a semifinal, elas entraram em recesso e só retornam a campo em Janeiro. Só temos a comemorar e agradecer uma por uma. Foram 9 jogos, 8 triunfos e 1 empate, fizeram 28 gols e só levaram 2. Orgulho e Orgulho! Obrigada, meninas!!

Em Dezembro fomos desclassificados da Sulamericana. O time não estava bem no Brasileirão, a vida do torcedor do Bahia é rezar, eu nem sei mais para que Santo eu peço a melhora dele, putz, tá difícil, viu?! Mas vamos seguindo. Como se já não bastasse todo estresse que vivemos,no dia 20 de Dezembro, jogamos contra o Flamengo, começamos perdendo, viramos e depois tomamos a virada. Mas perdemos muito mais do que 3 pontos, perdemos toda estabilidade emocional, quando Gerson fez uma denúncia de suposta injúria racial contra nosso atleta Ramirez. Foi uma semana complicada, onde vários juízes da internet julgaram o caso, tomaram decisões precipitadas e condenaram o jovem colambiano. Vários perítos foram contratados para realizar leitura labial, vários canais digitais acusando o Ramirez e o que foi concluído? NADA! Isso mesmo, diante de várias câmeras, microfones, atletas e pessoas que estavam no estádio, nenhuma prova ou testemunha confirmaram as palavras de ofensa de Ramirez para Gerson, quiseram jogar ofensa de Ramirez para Bruno Henrique, que também não foi comprovada. Diante da falta de provas, o Bahia reintegrou o jovem ao clube e ele voltou a treinar. E para completar, Mano Menezes foi demitido diante de vários fatos que não estavam agradando a diretoria. Quem chegou para somar, foi o Dado Cavalcanti, velho conhecido da torcida, esteve à frente do time de transição no inicio do ano.

Aproveitando o ensejo, deixo meu apelo para todos atletas, torcedores e pessoas envolvidas no futebol. Essa acusação foi muito grave, todos acusando o rapaz sem provas, tirando conclusões diante de um pronunciamento sem fundamentação. Quem me conhece sabe o quanto eu luto pelas causas sociais e garantias de direitos dos cidadãos, mas nesse caso, me mantive imparcial pelo fato de não ter provas desde o início. Todas acusações feitas no meio do futebol foram esclarecidas de imediato, no mundo tecnológico que vivemos, nada passa batido, ainda mais com estádio vazio, onde todas câmeras e microfones estão voltados nas quatro linhas, foram 5 dias de pesquisa e avaliação das imagens para achar uma prova contra Ramirez e não foi encontrada! Não sei se Gerson ouviu errado ou se equivocou com a língua do colombiano, mas deixo meu apelo para o cuidado com esse tipo de acusação. 

Os garotos da sub-20 também estão nos dando alegrias. Em uma longa caminhada, chegaram até a final da Copa do Brasil e disputará a taça contra o Vasco, perderam a primeira partida por 2 a 1 e o jogo decisivo será 03 de Janeiro. Vamos pra cima deles, Esquadrãozinho!

Foto: Divulgação ECBahia

Voltando ao estresse diário, a equipe principal só vai rolando ladeira abaixo. Em uma série de derrotas, somando 6, nos últimos 6 disputados, o Bahia encerra o ano na porteira da zona de rebaixamento, na 16ª colocação, com 28 pontos (mesma pontuação do Vasco, o primeiro da zona).

Sangue de Cristo tem poder, vamos todos na Igreja do Senhor do Bonfim pedir ajuda divina e amarrar nossas fitinhas, eu já amarrei 4, só ai foram 12 pedidos, vamos lá, toda ajuda é bem vinda. Bom final de ano para todos. Em 2021 completaremos 90 anos, que seja um ano repleto de realizações e PAZ! Pois há muitos anos a torcida do Bahêa não sabe o que é isso…

Foto: Arquivo Pessoal

Ver mais

Sobre o autor

Ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Siga nossas redes sociais

© 2020 Atras do Gol é uma marca registrada da Atras do Gol Limited Liability Company.  Todos os direitos reservados. O uso deste site constitui aceitação de nossos Termos de Uso e Política de Privacidade