HOME CLUBES PRINCIPAL COPAS MUNDO DO FUTEBOL FUTEBOL FEMININO MERCADO DA BOLA CULTURAL CONTATO

 

 

 

SERIE A

SUDESTE

NORDESTE

SUL

CENTRO-OESTE

NORTE

Ganhar é bom, mas precisa sofrer tanto?

Card image

Créditos: Foto: André Jonson/OFEC

Já deu para perceber, o treinador Matheus Costa gosta de sofrer. O masoquismo do comandante alvinegro em fazer o gol e defender o tempo que for necessário, nem que sejam 84 minutos, como ontem, é mais que prova disso. Contra a Ponte Preta, em casa, pela 29 rodada, foi o necessário para sairmos com os três pontos, e para certificar que o coração do operariano está bom.

Precisando buscar a vitória, após a sequência de quatro jogos sem vencer, Matheus Costa escalou o Operário assim: Martín Rodríguez; Sávio, Bonfim, Ricardo Silva, Fabiano; Jorge Jiménez, Rafael Chorão, Ricardo Bueno; Rafael Oller, Douglas Coutinho e Schumacher.

Logo no início da partida, a equipe de Vila Oficinas partiu para cima dos visitantes. A postura agressiva já foi percebida aos dois minutos da partida, quando Douglas Coutinho bate fraco para a defesa do goleiro da equipe de Campinas, Ygor.

Agredindo mais, a equipe de Vila Oficinas abriu o placar aos cinco da primeira etapa. Num lance que começou na direita com Sávio, a bola sobrou nos pés de Rafael Oller, que bateu para a defesa do goleiro da Ponte, no rebote Ricardo Bueno não desperdiçou e abriu o placar no Germano Krüger.

Com a vantagem no placar, a equipe de Matheus Costa recuou, chamando os visitantes para seu campo defensivo. Apostando nos contra-ataques, o Fantasma ainda teve boas chances na jogada individual de Douglas Coutinho aos 17 minutos, e outras duas jogadas de bola parada pela direita, sem levar perigo. Tentando atacar mais, a Ponte Preta, ainda reclamou de um pênalti não marcado em Bruno Rodrigues, mas o lance ficou só na reclamação mesmo.

As duas equipes voltaram sem alterações para a segunda etapa, com o Operário adiantando a marcação. Num dos raros momentos de ataque dos ponta-grossenses na etapa, Rafael Oller sofre falta. O zagueiro da Ponte, Ruan Renato recebeu o segundo amarelo pela entrada forte no meia-atacante alvinegro.

Com a vantagem numérica, o Operário ao invés de ir para cima, se fechou ainda mais. Matheus Costa tirou os atacantes Schumacher e Ricardo Bueno, para colocar os meias Tomas Bastos e Thomaz, ele também trocou o zagueiro amarelado Bonfim, por Reniê. Nesse momento parecia que quem jogava com um a mais eram os visitantes e não o Operário.

Sem os atacantes a equipe alvinegra chamou a Ponte até demais para o seu campo. Aos 36 da etapa final, Reniê foi obrigado a fazer duas “defesas” dentro da pequena área. O treinador entendeu isso como sinal para fechar ainda mais a casinha e trouxe Leandro Vilela no lugar de Chorão, e ficou com uma alteração sobrando. Aos 41 nova bola retirada no limite, dessa vez por Ricardo Silva.

O torcedor alvinegro já via um filme passando na sua cabeça. Aquele filme de sempre, com coisas que só acontecem com o Operário, como tomar o empate com um a mais jogando em casa. O juiz apontou os 6 de acréscimo e o tempo já nem parecia mais passar. Foram seis minutos que passaram como se fossem horas, até que o juiz apitou o fim da partida. 1×0 para o Fantasma, 38 pontos dos 45 que precisamos para ficar na série A.

A postura não agrada, mas ao menos o resultado é positivo. Sexta-feira (18) a atenção, a postura e a vontade têm que ser maiores, porque viajamos para enfrentar nosso maior rival fora do estado. Cuiabá x Operário não pode ser como foi contra a Ponte.

Ficha Técnica

Operário 1×0 Ponta Preta – Estádio Germano Krüger – 29ª Rodada do Campeonato Brasileiro Série B

Equipes:
Operário:
Martín Rodríguez; Sávio, Bonfim (Reniê), Ricardo Silva, Fabiano; Jorge Jiménez, Rafael Chorão (Vilela), Ricardo Bueno (Thomaz); Rafael Oller, Douglas Coutinho e Schumacher (Tomas Bastos)
Ponte Preta: Ygor; Apodi, Wellington Carvalho, Ruan Renato, Guilherme Lazaroni; Luís Oyama (Alisson), Neto Moura (Dawhan), Camilo (Luan Dias); Moisés (Guilherme Pato), João Veras, Bruno Rodrigues (Pedrinho)

Gols:
Operário:
Ricardo Bueno (5’ 1T)

Cartões:
Operário:
Sávio (Amarelo), Bonfim (Amarelo), Douglas Coutinho (amarelo)
Ponte Preta: Ruan Renato (2x Amarelo/Vermelho); Neto Moura (amarelo), Luan Dias (Amarelo), Bruno Rodrigues (Amarelo)

Ver mais

mm

Sobre o autor

Ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Siga nossas redes sociais

© 2020 Atras do Gol é uma marca registrada da Atras do Gol Limited Liability Company.  Todos os direitos reservados. O uso deste site constitui aceitação de nossos Termos de Uso e Política de Privacidade