HOME CLUBES PRINCIPAL COPAS MUNDO DO FUTEBOL FUTEBOL FEMININO MERCADO DA BOLA CULTURAL CONTATO

 

 

 

SERIE A

SUDESTE

NORDESTE

SUL

CENTRO-OESTE

NORTE

Vitória 0 x 1 Cruzeiro – O Vitória me obriga a beber

Card image

Créditos: Flicker – Vitória

Mais uma partida, mais uma derrota. Na estreia do treinador Mazola (que foi defendido pelo clube com uma nota ridícula), o Vitória recebeu um dos maiores algozes históricos e fechou uma década sem saber o que é ganhar do time azul de Minas Gerais. E como diz o título, me obrigou a ingerir uma quantidade considerável de bebidas alcoólicas para fazer esse texto. Mas vamos lá.

No primeiro tempo o Vitória vinha bem, não deixava o Cruzeiro gostar do jogo e tentava chegar, apesar de não levar muito perigo. O treinador Mazola não fez mudanças significativas no time, colocando o time base que já vinha jogando mas sem Guilherme Rend, que foi vetado por motivos físicos. Mas de chance perigosa mesmo, só uma falta bem cobrada por Vico e bem defendida por Fábio. Mas como azar pouco é bobagem, Ronaldo, que jogava no sacrifício, foi afastar uma bola fora da área e sentiu uma lesão no quadríceps. Entra o menino Yuri César, e no primeiro lance contra ele, Ramon (aquele) ganha de Lucas Cândido e abre o placar. Leo Ceará forçou outra defesa de Fábio mas o jogo foi para o intervalo 1 x 0 para o time celeste.

Já no segundo tempo, o Cruzeiro cozinhou o jogo, o Vitória não ameaçou e ainda tomou uma bola na trave em cruzamento perigoso de Rafael Sóbis. Ainda tivemos de importante a expulsão de Lucas Cândido, pelo segundo cartão amarelo, as alterações erradas como a saída de Vico para entrada de Ewandro e o time jogar 12 minutos com 2 centroavantes e não cruzar uma bola sequer na área. Fim de jogo e a freguesia continua.

Melhor em campo: Vico. Foi o jogador que enquanto esteve em campo mais procurou jogo e mais participou da armação do ataque.

Pior em campo: Lucas Cândido. Fernando Neto merecia o voto, mas falhar no gol e ser expulso é motivo suficiente para o camisa 15 ganhar o prêmio Mariano Tripodi do jogo.

Nota do treinador: 3,5/10. Não inventou na escalação, teve uma substituição forçada, mas quando precisou mudar o jogo, escolheu mal e o time voltou ao jogo modorrento da era Pivetti/Barroca.

Estatísticas do jogo (Dados do Sofascore):

Posse de bola: 53% x 47%

Chutes: 9 x 7

Chutes a gol: 2 x 3

Faltas: 26 x 17

Cartões amarelos: 3 x 1

Cartões vermelhos: 1 x 0

Lance emblemático do jogo: 44 minutos de jogo e nosso goleiro Yuri sofre um gol na primeira finalização contra ele em um jogo profissional. Um lance que mostra todo o azar que é hoje jogar pelo ECV.

Próximo jogo: Terça-feira, 15/12 às 21:30 contra o Juventude no Barradão.

Ver mais

Sobre o autor

Ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Siga nossas redes sociais

© 2020 Atras do Gol é uma marca registrada da Atras do Gol Limited Liability Company.  Todos os direitos reservados. O uso deste site constitui aceitação de nossos Termos de Uso e Política de Privacidade