HOME CLUBES PRINCIPAL COPAS MUNDO DO FUTEBOL FUTEBOL FEMININO MERCADO DA BOLA CULTURAL CONTATO

 

 

 

SERIE A

SUDESTE

NORDESTE

SUL

CENTRO-OESTE

NORTE

“Apoie o futebol feminino”

Card image

Créditos: Foto: Bruno Queiroz / EC Bahia

As aspas podem ter causado estranheza, mas vou ter que começar o texto me desculpando. Infelizmente devido a transmissão do My Cujoo ter travado algumas vezes e pelo campo utilizado não render condições mínimas para uma boa performance, não considero justo fazer uma análise tática da partida de hoje.

Imagem
Foto: Bruno Queiroz / EC Bahia

É triste perceber o descaso com a categoria. Quartas de final, dois times do Nordeste que fizeram um bom primeiro turno e chegaram pra lutar forte pelo acesso, mas no caminho tinham buracos. Muitos deles. Pouca grama, muita terra. A imagem acima é um exemplo. Com isso perdemos em qualidade, as atletas se expõem ao risco de lesões, o espetáculo fica menor. O torcedor que precisa ser cativado vai desistir e aquele que já apoia assiduamente se irrita, se estressa, se entristece. Será que não havia nenhum outro local que elas pudessem jogar?

Os problemas começaram com mais uma péssima transmissão do My Cujoo. Imagem sem qualidade, delay, câmera tremendo e sem acompanhar os lances, problemas no áudio e uma narração vergonhosa, que sequer sabia quem era Gadu. Sim, a artilheira da competição até então. Não teve uma partida que não houve problemas na transmissão e o mínimo esforço para prestar uma satisfação aos torcedores que tentam acompanhar o futebol feminino. Ainda tivemos falha na transmissão que travou, a ponto dos clubes comentarem:

A CBF também opta por equipes de arbitragem inteiramente do time da casa. Esse é mais um ponto que enfraquece o produto e tira a credibilidade, afinal, sabemos os graves problemas de arbitragem do país. Todos esses pontos poderiam ter sido melhorado se os clubes se esforçassem por fornecer a essas atletas condições adequadas para desenvolver o seu trabalho. Percebam que eu disse adequadas, não mínimas, nem obrigatórias. E quando eu reclamo, não falo somente pelas atletas do Esquadrão, mas também pelas Leoas do Pici. Nenhuma profissional deveria ter que jogar nessas condições. Especialmente numa quarta de final tão importante. Não a toa que a jogadora do Fortaleza se lesionou.

Se não existe interesse em fomentar a categoria, em promover e fortalecer o produto que é a série A2, por qual motivo continuam mantendo? Peca a Confederação, as Federações e os clubes, que mantém essa estrutura.

Outro ponto é que os jogos das quartas entre Ceará e Botafogo foram adiados para se adequar a uma solicitação da Band, que pretende transmitir a partida. Fico feliz que o público terá essa oportunidade de ver uma transmissão mais digna. O próprio perfil do Brasileirão Feminino muito pouco dá espaço a disputa da série A2. Porém, pontuo: o fortalecimento do futebol feminino não pode passar somente por um estado ou dois. Vamos assistir a estruturação de mais um eixo?

Os clubes nordestinos tem a chance de construir uma história diferente com seus times femininos. Para isso, eles também precisam investir e cobrar. Pressionar federações (Alô, FBF, cadê o Baiano 2020?), exigir qualificação da arbitragem e parar de achar que belas postagens convencerão os torcedores. Isso vale para o Fortaleza.

Nós lutamos e queremos ver a categoria fortalecida, sendo valorizada. Não nos contentaremos com migalhas para justificar um falso esforço de uma confederação extremamente rica. Terão que mudar!

O empate em zero a zero deixa tudo aberto para a decisão em Salvador, onde a partida tem grandes chances de ocorrer na Fonte Nova. Considerando o péssimo estado do campo na partida de hoje, as Meninas de Aço souberam se adaptar, defendendo-se bem, mas infelizmente pecaram na finalização. Aila, um ponto forte de nossa zaga, se machucou e deixou a partida nos causando preocupação. Sua presença no próximo jogo é incerta.

Faltam cinco dias para a próxima partida e a única certeza que temos é que nós, amantes da categoria, continuaremos apoiando. Talvez sejam vocês, clubes, federações e confederação que precisam aprender e entender como apoiar o futebol feminino.

Ver mais

mm

Sobre o autor

Ver mais

Comentários

  1. Cristiane disse:

    Excelente!!! Não basta “apoiar” qd estão disputando Copa do Mundo… Tem q ser desde cedo… 🙏🙏🙏

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Siga nossas redes sociais

© 2020 Atras do Gol é uma marca registrada da Atras do Gol Limited Liability Company.  Todos os direitos reservados. O uso deste site constitui aceitação de nossos Termos de Uso e Política de Privacidade