HOME CLUBES PRINCIPAL COPAS MUNDO DO FUTEBOL FUTEBOL FEMININO MERCADO DA BOLA CULTURAL CONTATO

 

 

 

SERIE A

SUDESTE

NORDESTE

SUL

CENTRO-OESTE

NORTE

Diniz e Ceni: gênios ou bestas?

Card image

Créditos:

“Um gênio ou uma besta?”, “Os personagens não pertencem ao mundo, mas ao terceiro mundo” são os letreiros iniciais de O Bandido da Luz Vermelha, filme clássico da Boca do Lixo de São Paulo, dirigido por Rogério Sganzerla em 1968. Essa pergunta-clichê é geralmente usada para qualificar alguém fora da norma, que poderia ser um artista ou um criminoso. Mas o que que isso tem a ver com Fernando Diniz e Rogério Ceni, técnicos de futebol do São Paulo e do Flamengo?

Atualmente no Brasil Renato Gaúcho é o técnico mais longevo da Série A do Campeonato Brasileiro, tendo completado quatro anos e dois meses à frente do Grêmio. Depois dele, Fernando Diniz, com um ano e poucos meses à frente do São Paulo. O que não é nada comparado com os 26 anos consecutivos de Alex Ferguson como técnico do Manchester United e com os 21 anos de Arsène Wenger no Arsenal! O que impera aqui, no Terceiro Mundo, como sabemos, é a altíssima rotatividade dos técnicos de futebol.

Mesmo com mais de um ano de clube, a opinião de torcedores e comentaristas esportivos sobre Fernando Diniz oscila junto com os resultados do time. Ao ser eliminado na Copa Libertadores da América e na Sul-Americana por times que não disputavam partidas oficiais por seis meses, Diniz esteve prestes a cair. Até Muricy Ramalho, perdeu a paciência com o sistema defensivo do time. Ele não caiu, consertou a defesa, conquistou vitórias importantes e hoje é celebrado. Ou seja, foi de besta a gênio em questão de semanas.

O contrário aconteceu com Rogério Ceni. Considerado até então como melhor técnico brasileiro em atividade neste ano, após vitórias expressivas do Fortaleza contra times com folha salarial muito superior aos do time dele, ele foi contratado pelo Flamengo. Neste intervalo de três semanas, o rubro-negro foi eliminado da Copa do Brasil e agora da Libertadores. Técnicos e comentaristas unanimemente consideraram que Ceni errou e foi um dos responsáveis pela desclassificação do time no jogo contra o Racing, ao substituir Arrascaeta e Everton, os dois jogadores de criação do time. Foi de gênio a besta também em poucas semanas. No Brasil, essa cobrança por resultados imediatos é uma máquina de moer técnicos de futebol.

O Bandido da Luz Vermelha – reprodução

Ver mais

Sobre o autor

Ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Siga nossas redes sociais

© 2020 Atras do Gol é uma marca registrada da Atras do Gol Limited Liability Company.  Todos os direitos reservados. O uso deste site constitui aceitação de nossos Termos de Uso e Política de Privacidade