HOME CLUBES PRINCIPAL COPAS MUNDO DO FUTEBOL FUTEBOL FEMININO MERCADO DA BOLA CULTURAL CONTATO

 

 

 

SERIE A

SUDESTE

NORDESTE

SUL

CENTRO-OESTE

NORTE

Retomada com Goleada

Card image

Créditos: Márcio Cunha/ACF

Não, você não leu errado. Na noite desta terça-feira, a Chape venceu o Cuiabá pelo placar “elástico” de 1 a 0. Pode parecer pouco, mas dos quatorze triunfos do Verdão na série B, essa é a décima vez que a equipe soma três pontos vencendo pelo placar mínimo na competição.

São trinta dos cinquenta pontos conquistados até aqui. Na segunda divisão, o Verdão vem mostrando que o mais importante é vencer. Muitas vezes sem espetáculo, sem magia, mas com efetividade. Contra os cuiabanos não foi diferente.

Pressionado pela queda de desempenho na competição, o Cuiabá jogava para voltar ao G4, já a Chape, que havia perdido suas duas últimas partidas no certame, buscava a reabilitação nos gramados da Arena Condá. Desde o princípio, o jogo mostrou-se aberto. Os mato-grossenses propuseram um embate de velocidade e disposição física.

É bem verdade que vimos um festival de erros de passe de ambos os lados, especialmente na primeira etapa. Borbulhavam também oportunidades de gol das duas equipes, e vimos noites inspiradas tanto do goleiro João Ricardo quanto do arqueiro Matheus Nogueira. Revendo as chances de gol, o triunfo de 1xo da Chape poderia muito bem ter sido um 4×3 ou 5×4.

Contra o Cuiabá, chamou à atenção a atuação do meia Denner. Jogando pelo lado direito da meia cancha, o canhoto era quem ditava as jogadas ofensivas, junto ao extrema Paulinho Moccelin, atuando pelo lado oposto de ataque. Importante ressaltar que, mais uma vez, o empenho do camisa 94 do Verdão pode ser adjetivado como “comovente”, tamanha sua disposição e velocidade na criação ofensiva e na recomposição tática. Hoje, Moccelin é peça fundamental no esquema de Umberto Louzer.

A respeito do comandante alviverde, uma ressalva em especial sobre suas mudanças. Não tenho a possibilidade de acompanhar os treinos durante a semana, mas é factível e notório que Felipe Garcia não pode ser a primeira opção de ataque no banco de reservas. Tendo Foguinho e Mike entre os suplentes, não é justificável Felipe ser prioridade, visto que não tem desempenhado em campo. É esforçado, mas não tem apresentado qualidades que justifiquem a quantidade de oportunidades recebidas. A vitória de hoje pode ter mascarado esse pequeno equívoco nas alterações, mas Louzer precisa rever seus conceitos e teimosia com alguns nomes do elenco.

A defesa mais uma vez foi soberba. O retorno de Joilson na dupla de zaga com Luiz Otávio, aliado ao já destacado desempenho de João Ricardo garantiram a vitória da equipe. Na lateral esquerda é preciso ser justo: Alan Ruschel não comprometeu, fez uma partida segura defensivamente, embora apática na parte ofensiva. Na direita, Matheus Ribeiro foi mais agressivo no ataque, e teve a boa cobertura de Anderson Leite para suas subidas ao campo ofensivo. A lamentar para o jogo contra o Juventude é a ausência de Willian Oliveira, marcador e articulador do meio de campo que foi advertido com o terceiro amarelo e desfalca o Verdão na próxima rodada.

No mais, a Chape segue firme na busca do acesso à série A. A vitória sobre o Cuiabá deixa o Verdão 10 pontos a frente do quinto colocado, que é a própria equipe mato-grossense. Está chegando a hora de fazer as contas, pois com mais 5 goleadas como a de hoje, a Chapecoense pode iniciar 2021 planejando mais uma participação na elite do futebol nacional.

Ver mais

Sobre o autor

Ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Siga nossas redes sociais

© 2020 Atras do Gol é uma marca registrada da Atras do Gol Limited Liability Company.  Todos os direitos reservados. O uso deste site constitui aceitação de nossos Termos de Uso e Política de Privacidade