HOME CLUBES PRINCIPAL COPAS MUNDO DO FUTEBOL FUTEBOL FEMININO MERCADO DA BOLA CULTURAL CONTATO

 

 

SERIE A

SUDESTE

NORDESTE

SUL

CENTRO-OESTE

NORTE

Marinho de Schroedinger – Ídolo ou grande passagem?

Card image

Créditos: Marinho comemora gol no Couto Pereira. (Créditos: Jason Silva/AGIF/Lancepress!)

Fala galera. Como um novo quadro, falaremos aqui de jogadores que jogaram demais com a camisa do ECV e que podem ser considerados até como ídolos por alguns. E o texto de hoje talvez seja a maior linha tênue entre grande passagem e ídolo. Seria (Di) Marinho um ídolo do ECV? Ou somente fez um bom ano?

Para começar temos de falar do ano de Marinho pelo Vitória: O jogador veio emprestado após um 2015 onde ele jogou demais pelo Ceará (E nos protagonizou o vídeo do Sabia não) e depois fez uma passagem apagada pelo Cruzeiro e veio para o Vitória em baixa, primeiro por empréstimo e depois em definitivo. E no ECV ele teve um grande ano, onde teve os seguintes números totais (Dados do site O Gol):

43 jogos

21 gols marcados (3 no Baiano, 6 na Copa do Brasil e 12 no Brasileiro)

15 assistências (5 no Baiano, 1 na Copa do Brasil, 1 na Sulamericana e 8 no Brasileiro)

1 Título (Campeonato Baiano 2016)

1 artilharia (Copa do Brasil 2016).

Mas não foram apenas os números que levantaram a passagem dele aqui. No momento que o cerco fechava, Marinho teve as maiores atuações individuais que já vimos um jogador ter com a nossa camisa. Especialmente na Era Argel, ele colocou a bola no pé e foi disparado quem carregou o time rumo à salvação. Como não lembrar de gols importantíssimos como os contra o Atlhetico Paranaense no Barradão e o Coritiba no Couto. Ou as atuações horríveis no breve período em que ele esteve fora. O impacto imediato que ele teve na volta contra o Fluminense. Por essas e outras Marinho é tão amado no Barradão.

Mas dois pontos pesam contra essa idolatria: O tempo curto que ele levou no Barradão (Apenas uma temporada) e o jeito em que ele levou a própria saída do clube (Fazendo o anúncio na sala de imprensa do clube sem nem o diretor de futebol da época, Sinval “Fazer Gôr” Vieira, saber da decisão). Mas também vale lembrar que a passagem dele aqui foi tão destruidora que até pedidos de coloca-lo na seleção fizeram.

Então torcedor, a pergunta vai para vocês: Seria Marinho um ídolo ou apenas mais um atleta com grande passagem no clube? Deixa seu comentário abaixo.

Ver mais

Sobre o autor

Ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Siga nossas redes sociais

© 2020 Atras do Gol é uma marca registrada da Atras do Gol Limited Liability Company.  Todos os direitos reservados. O uso deste site constitui aceitação de nossos Termos de Uso e Política de Privacidade