HOME CLUBES PRINCIPAL COPAS MUNDO DO FUTEBOL MERCADO DA BOLA CULTURAL CONTATO

 

 

SERIE A

SUDESTE

NORDESTE

SUL

CENTRO-OESTE

NORTE

Diga-me com quem andas, que Diniz direi quem és…

Card image

Créditos:

Era uma vez no País do futebol.

Aquele que fazia brotar craques e mais craques em cada esquina, em cada terreno baldio, em cada rua esburacada dessa terra sem fim.

Por aqui, os Leônidas apareciam e bicicleteavam aos montes. Garrinchas levavam laterais a loucura com a simplicidade de alguém que inspira oxigênio e devolve gás carbonico. Alguns Pelés nasciam do nada, como que brotados em árvores, pés de futebol surgidos como praga pelos campinhos de terra espalhados aos milhares.

Eram tantos craques por metro quadrado, mas tantos, que os técnicos viviam de jogar camisas pro alto pra pegar quem quisesse.

O tempo passou, os craques escassearam e os treinadores, agora responsáveis por fazer jogar alguns que pouca habilidade tem, meio que se perderam.

E nesse cenário pouco inspirador, surge Diniz e suas novidades. Confesso que no início me deixei levar.

Bem, vou confessar que cheguei a me entusiasmar.

Via algo de diferente. Uma intensidade, mesmo com limitações técnicas que poucas vezes vi na bola.

Vi isso no Audax, vi isso no limitadíssimo elenco do tricolor carioca.

Não vi mais.

Meio que pés colocados no chão, o encanto virou pesadelo, a carruagem virou abóbora.

Diniz caiu na mesmice da teimosia sem propósito, no discurso coberto de desculpas, na saída de bola insana, pediu tempo e paciência onde ela inexiste há tempos.

Caiu no Paulista, caiu numa fase de grupos da Libertadores, caiu na Sul Americana e fez todos cairmos na triste realidade de quase uma década sem título.

Sim, sei que muitos de alguma forma ainda exaltam o trabalho de Diniz baseado em muito pelo posicionamento do São Paulo na classificação do Brasileirão.

Porém pergunto eu: estar pelo menos entre os quatro primeiros na tabela não seria mera obrigação em se tratando de uma Instituição do tamanho do São Paulo?

Não seriam os nomes estelares do elenco e seus milionários salários o aspecto principal que nos faz entender que estar entre os primeiros é no mínimo natural?

Nessa quarta-feira Diniz tem nova e rara chance de dizer que estamos enganados. Enfrenta o Flamengo por uma vaga em mata-mata, que cansou de nos frustrar.

Certo que nada ganhou ainda, porém, passar pelo time carioca vai com certeza fazer com que aquela esperança há muito contida no coração do são-paulino, renasça forte.

Que Diniz aproveite a chance que os raros tem e tiveram como treinador.

Que Diniz faça o time jogar de tal forma a convencer a coletividade do Morumbi de que realmente e dessa vez, o final será diferente.

E que definitivamente, deixemos de viver morre-morres a cada mata-matas.

mm

Sobre o autor

Ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Siga nossas redes sociais

© 2020 Atras do Gol é uma marca registrada da Atras do Gol Limited Liability Company.  Todos os direitos reservados. O uso deste site constitui aceitação de nossos Termos de Uso e Política de Privacidade