HOME CLUBES PRINCIPAL COPAS MUNDO DO FUTEBOL MERCADO DA BOLA CULTURAL CONTATO

 

 

SERIE A

SUDESTE

NORDESTE

SUL

CENTRO-OESTE

NORTE

Era Domingo

Card image

Créditos:

E parecia apenas mais uma manhã de domingo como qualquer outra em um mês de Novembro, ou seja, sol, muito calor, a carne para o churrasco e a cerveja gelando no congelador… Tudo como tem de ser!

Mas ainda é cedo e você pode colocar a roupa de banho, arrumar os filhos e partir rumo à piscina, pois o almoço ainda demoraria a sair e como já se aproximam as férias seria uma baita oportunidade de se preparar para um dos momentos mais esperados do ano.

As semelhanças, porém, param por aí, porque aquela agradável manhã de domingo, 14 de novembro de 2010, era o prenúncio de uma tarde e noite que entraria para sempre na memória do torcedor do Guarany Sporting Club.

Diferente dos dias habituais, não houve tempo para a sesta e mal engoliu o almoço, o torcedor calçou o tênis, vestiu a camisa, pegou o boné e a bandeira, pois, a partir dali, todos os caminhos levavam ao Estádio do Junco, palco da grande Final do Campeonato Brasileiro da Série D, entre Guarany e América de Manaus. Nada faria diminuir o ânimo e afastar o torcedor do Juncão, afinal ali era o Guarany.

Quando se fala em Guarany, não se está falando apenas de um clube que veste vermelho e preto, pois com estas cores existem muitos. O Guarany é muito mais que as cores da camisa, o “Cacique do Vale” representa uma cidade, um polo regional, traduz a dignidade de um povo apaixonado por futebol e, sobretudo, é paixão da maior torcida do interior do Estado e uma das maiores do Nordeste fora das capitais.

E 2010 não parecia um ano pra guardar recordações… Primeiro veio a derrota, nos pênaltis, para o Fortaleza na final do 1º turno do campeonato cearense, após empate em 4 a 4 no tempo normal e depois de estar vencendo por 4 a 1 faltando 15 minutos pro final do jogo. Depois, outra derrota, agora para o Ceará, na final do 2º turno, por 1 a 0. E pra terminar, a perda da Taça Padre Cícero para o Horizonte, levando duas goleadas, uma por 7 a 0 fora de casa e outra por 5 a 2 em Sobral.

Mas os milhares de quilômetros percorridos valeram a pena…

Na primeira fase, apenas uma derrota e classificação do Bugre em 1º lugar no grupo. Na segunda fase, eliminação do poderoso Santa Cruz, após derrota por 4 a 3 no Recife e vitória por 2 a 0 no Junco. Veio a terceira fase e outro gigante caiu: dessa vez o Sampaio Corrêa, com vitória por 3 a 2 no Junco e empate em 1 a 1 em São Luís.

Até que chegamos ao mata-mata do acesso e o Rubro-negro mais uma vez não decepcionou: duas vitórias sobre o Vila Aurora, uma por 2 a 0 em Mato Grosso e outra por 2 a 1 no Junco. O passaporte para a grande decisão foi carimbado com um empate por 2 a 2 com o Araguaína, em Tocantins, e outro por 0 a 0, no Junco, que garantiram o retorno à Série C em 2011.

Agora era a hora do Bugre mostrar sua grandeza. E o empate em 1 a 1 no primeiro jogo, em Santarém, havia deixado a disputa pelo título em aberto e os times bastante motivados pela inédita conquista de um título nacional, em que pese o imbróglio jurídico que envolveu o América no STJD, em que este viria a decidir pela eliminação dos amazonenses.

No Estádio, lotação. Um domingo verdadeiramente diferente em que o público oficial, de 7.950 torcedores, não correspondia à realidade. Tinha muito mais, o Juncão ficou pequeno para o tamanho da empolgação do torcedor bugrino e isso acabou refletindo em campo. Estava vivo pra testemunhar os gols de Danilo Pitbull (artilheiro da competição, com 11 gols) e Júnior Alves, fazendo 2 a 0 já no primeiro tempo. Nem o gol de Clailson assustou, pois Vanderlei e Diones fecharam o placar (4 a 1) e selaram aquela que, até então, era a maior conquista do futebol cearense.

Para Luizinho Torquato, Presidente do Clube à época, “nem tudo foram flores e o apoio do Poder Público Municipal e Estadual, bem como dos patrocinadores, foi fundamental, pois até as passagens eram bancadas pelos Clubes. Além disso, as contratações de Bismarck, Carlos e Rogério agregaram muito valor ao elenco, especialmente nas fases decisivas”. Ele ressalta que o time era muito unido e que Teco-Teco foi muito importante nessa conquista, principalmente pelo empenho, notadamente nas viagens, e hoje faz muita falta ao Clube.

Ele conta ainda que “um fato pitoresco se deu quando enfrentamos o Santa Cruz em Recife e, na saída do Estádio, recebo ligação do meu pai lamentando a derrota quando respondi, em meio a diretores do clube pernambucano, que faríamos 2 gols no Junco e conseguiríamos a classificação. Ao chegar a Sobral, fiz reserva nos hotéis disponíveis, obriguei o Santa Cruz a se hospedar em Tianguá e quando chegaram ao Estádio foram recebidos com o vestiário pintado com tinta fresca e creolina… Não deu outra, vencemos o jogo”.

Wanderley, um dos homens de frente daquele poderoso ataque de 2010, confessa que “sentiu a união do grupo em torno do título” na partida de volta contra o Sampaio Corrêa, em São Luís. Na ocasião, ele sofreu pênalti aos 38 minutos do segundo tempo, que Pitbull cobrou e converteu, empatando o jogo e garantindo o Guarany na próxima fase. “Dali em diante a gente sabia que só iria parar com o título, pois o time ‘encaixou’ e pegou muita confiança para as fases seguintes”, conta emocionado.

Assis Nascimento, radialista que cobriu a partida como setorista do Clube, relata que “foi uma tarde inesquecível, com um jogo emocionante. O Guarany tinha um time muito bom, com Pitbull, Bismarck, Junior Alves e Vantuir, dentre outros, treinado por Oliveira Canindé. Uma vitória brilhante no Junco, que estava lotado”. Sobre o momento atual, diz que pra reviver essas glórias “é necessário contratar bem, contratar certo para as posições importantes” mas “é preciso lutar para ser campeão cearense”.

A efusiva alegria da torcida, que tomou conta das ruas de Sobral ao final da partida, confirmou a redenção de um ano que parecia fracassado em uma noite de um domingo que começou igual a tantos outros, mas que terminou mágico como o final de feliz de um filme.

Ultimos posts

Arquivo

Sobre o autor

Ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Siga nossas redes sociais

© 2020 Atras do Gol é uma marca registrada da Atras do Gol Limited Liability Company.  Todos os direitos reservados. O uso deste site constitui aceitação de nossos Termos de Uso e Política de Privacidade