HOME CLUBES PRINCIPAL COPAS MUNDO DO FUTEBOL FUTEBOL FEMININO MERCADO DA BOLA CULTURAL CONTATO

 

 

SERIE A

SUDESTE

NORDESTE

SUL

CENTRO-OESTE

NORTE

O Brasil segue o Inter e se abre para o mundo

Card image

Créditos: Ricardo Duarte/Inter

Eduardo Coudet, Jorge Sampaoli e Domènec Torrent. Nomes que, aos poucos, vão sendo adaptados ao futebolês verde-e-amarelo, nomes por vezes difíceis de todo o torcedor conseguir pronunciar, mas nomes e sobrenomes que podem devolver o Brasil ao cenário das grandes ligas e das grandes seleções. Sim, estamos defasados em matéria de treinadores. 

Os argentinos (portugueses e espanhóis, nem se fala) têm muito mais experiência internacional do que os nossos treinadores. Vide o sucesso de Simeone ou de Bielsa, na Europa, apenas para citar dois deles. É algo cultural. Nós, brasileiros, sempre nos deitamos em berço esplêndido, pois sempre resolvemos tudo no talento. Isso até 2002. A partir daí, a Seleção Brasileira jamais conseguiu repetir o sucesso de outrora. Vivemos apenas do talento de Neymar, ainda que Tite e Cléber Xavier sejam das cabeças mais arejadas dentre os treinadores brasileiros. 

Mas, voltemos ao Brasileirão. Não é à toa o sucesso dos estrangeiros no comando de nossos times. Vamos ao exemplo colorado, onde Chacho Coudet ousa seguir à caça dos ricos Flamengo e Atlético-MG. Dono de um elenco limitado, em grifes e em tamanho, o Inter de Coudet mudou radicalmente o seu estilo de jogo. Do conservadorismo e, em alguns momentos, da falta de ambição do time de Odair Hellmann, no ano passado, os colorados passaram a ter um jogo mais agressivo e de grande entrega. Há um claro estilo de jogo nesse Inter, que ora ataca, ora se defende, dependendo do adversário – e dos desfalques, uma vez que já se perdeu gente de peso como Guerrero e Saravia -, mas sempre da mesma maneira. 

A Era dos Treinadores Estrangeiros no Brasil é um caminho sem volta. Ainda que haja entre técnicos brasileiros e comentaristas mais obtusos quase um olhar xenófobo sobre o trabalho dos gringos. O fato é que os treinadores de fora estão dando uma nova cara ao futebol de nossos clubes, com ideias novas e diferentes posturas em campo. E Coudet, com o seu diminuto elenco, vai tornando o Inter um time com uma cultura arejada e bem distinta da maneira de o clube jogar em anos anteriores – ainda que a falta de vitória em Gre-Nais seja uma terrível mancha em seu currículo. 

Além disso, Chacho fez de Thiago Galhardo uma estrela. De jogador comum, com passagens nem tão luminosas por diversos clubes, o camisa 17 do Inter passou a ser o nome mais comentado do Brasileirão. Graças a Coudet? Certamente o treinador tem boa parte nisso, bem como ter transformado o volante Zé Gabriel em zagueiro titular.

Coudet, Sampaoli, Dome, Sá Pinto (antes deles Jesus), não importa o nome, o que realmente é relevante é que os ares da globalização chegaram ao futebol brasilerio (e não apenas com nossos jogadores atuando na Europa, o que já vimos não é suficiente para a Seleção decolar), e o processo é uma onda impossível de ser parada. Após a Era Tite na CBF, não será surpresa alguma que tenhamos um treinador estrangeiro no comando da Seleção Brasileira. E isso será bom para o nosso futebol. Vide o Inter de Coudet.    

Sobre o autor

Ver mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Siga nossas redes sociais

© 2020 Atras do Gol é uma marca registrada da Atras do Gol Limited Liability Company.  Todos os direitos reservados. O uso deste site constitui aceitação de nossos Termos de Uso e Política de Privacidade